Profundamente, na  oração, reconhecemos,   aceitamos e  livremente nos  abandonamos à realidade de quem é Deus e de quem somos nós: criaturas incondicionalmente amadas por nosso Criador.  Nós nos aproximamos de Deus, prontas para sermos transformadas e para aceitar nossa missão com mais intensidade, ao mesmo tempo que somos atraídas a uma comunhão mais íntima com Ele.

espiritualidade

Espiritualidade é o agir de Deus em todos os seres do Universo, sobretudo, do ser humano criado a sua “ imagem e semelhança” (Gn 1,26), com capacidades de transcender e estabelecer relação de intimidade com o Outro – Tu Deus. Quanto mais nos dispomos livremente à Sabedoria Divina ou ao sopro vital, à Ruah (Gn 1,2), mais nos configuramos a Ela, a Deus.

 

Nós, Irmãs Escolares de Nossa Senhora (IENS) acreditamos que para nos mantermos em sintonia ou conectadas à dimensão espiritual – própria do ser humano –  precisamos de tempo. Necessitamos parar, aquietar o corpo e silenciar a mente para estar em contado conosco e conectar-nos com essa dimensão espiritual e sagrada
que nos leva à harmonia interior. Então a vida passa a encontrar novo sentido. Vivendo cotidianamente, envolvidas com tantas solicitações, informações e afazeres, poder silenciar passa ser uma dádiva. Nada e ninguém roubará nossa liberdade e alegria interior (P.Francisco -EG, 2013).

Para nós, a transcendência é uma necessidade inerente ao ser humano. Aqueles mais sensíveis percebem essa tendência e podem se educar para desenvolver o aspecto dessa transcendência.  Termos liberdade interior e não mais seremos escravos ou sujeitos a lei, mas libertos de todo tipo de opressão, afirma S.Pauo ICor, 1-2.   O caos de uma vida desordenada transforma-se, assim, em harmonia.  No encontro sincero com Jesus e na prática dos valores de seu Evangelho, encontramos o sentido da existência.  Cremos que Jesus Cristo, filho de Deus e de Maria, dissipa as trevas de nosso coração e nos coloca no caminho da vida, da luz e da verdade ( Jo 14,6). Pois afirma: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou no meio deles” (Mt 18).

 Madre Teresa dizia:  “A Oração é para nós a escada, a chave e a porta do céu”.
Ela acreditava que o Espírito  Santo penetra tudo, abarca tudo, está para além de qualquer limitação humana. “Para onde irei para estar longe de teu Espírito? Para onde fugirei longe de tua face? Se eu escalar os céus, aí estás, se me colocar no abismo, também aí estás” (Sl 139,7). Até o mal não está fora de seu alcance. Tudo o que tem a ver com mutação, ruptura, vida e novidade tem a ver com o Espírito. O Espírito Santo está tão unido à história que ela de profana se transforma em história santa e sagrada (Boff, 2012).

Para nós, Irmãs Escolares de Nossa Senhora, espiritualidade é estar em profunda comunhão com a Trindade Santa, a qual “põe em foco a nossa vida (religiosa) toda; ela sustenta o ritmo de nossa vida que dá ênfase ora à pessoa, ora ao mundo ao qual servimos”. “Na oração, rec2015-11-19-15-03-44onhecemos, aceitamos e livremente nos abandonamos à realidade de quem é Deus e de quem somos nós: criaturas incondicionalmente amadas por nosso Criador. Nós nos aproximamos de Deus, prontas para sermos transformadas e para aceitar nossa missão com mais intensidade, ao mesmo tempo que somos atraídas a uma comunhão mais íntima com Ele e somos por Ele
enviadas” …“ a oração é a nossa contínua resposta ao continuo chamado de Deus para a missão”(VSE,27-28).  A cada dia estamos mais cientes que Deus nos chama a “Confiar e arriscar”, como fez M.Teresa Gerhardinger, fundadora da Congregação. Prosseguimos “alegre e contentes com pouco, orientando toda a nossa vida para aquela unidade para a qual Jesus Cristo foi enviado”(24º CG-2017).

Na tradição a Igreja Católica, há muitos maneiras e jeitos de rezar como:                                                                                                                                          Celebração Litúrgica;

2015-11-19-15-05-02Ritos Sacramentais;

Leitura Orante da Bíblia;

Orações e fórmulas devocionais;

Liturgia das Horas;

Meditação Cristã

Adoração….

Num processo disciplinar orante e de atitudes positivas em relação à oração, acreditamos que podemos chegar à contemplação –  atitude esta que não nos aliena da realidade – mas nos impulsiona a assumi-la e agir rumo a transformação, animadas pela fé e confiantes no Deus misericordioso.

Rezar implica esvaziar-nos de nós mesmas para que Deus nos preencha. M.Teresa de Jesus passava horas em oração, sobretudo, no silêncio da noite. Nesse sentido, orar é como perceber o “Silêncio e a Presença” (Larrañaga) de Deus, do seu amor insondável. Grandes místicos universais, convergem para à contemplação, grau máximo do desenvolvimento espiritual. As pessoas com atitude contemplativa tornam-se mais sensíveis e podem viver a compaixão:  atitude universal que expressa a capacidade de ad –mirar o Outro e suas criaturas, o Universo e seus semelhantes -compadecer-se daqueles que sofrem mais.  A experiência do amor incondicional de Deus, externaliza-se na prática cotidiana.  O amor nasce no interior. Ser cheio de amor é, necessariamente, ter provado o amor por si mesmo: “ Ama o próximo como a ti mesmo” (Mc 12,31)

A bem-aventurada Teresa Gerhardinger (C1 e 114) expressava com veemência:   “ unidas e contentes vamos ao mundo todo, imagem1porque o amor não pode esperar. ” Ela revela sua profunda experiência de Deus e sua mística. A sua vida traduzida no Dom do Espirito – Carisma que contagiou e atraiu muitas mulheres de fé. Transpôs culturas, raças e línguas e continua hoje, sendo atualizado na vida de jovens e mulheres. A cada tempo o carisma fundacional é resinificado através de Capítulos Gerais na Congregação internacional. Esse é um dos meios de nós, IENS, renovamos nosso compromisso de buscar a unidade na diversidade (23º CG, 2012):

  • Abraçar o diálogo como forma de vida
  • A viver de modo mais simples, responsável e sustentável
  • A intensificar nossos esforços para testemunhar a unidade num mundo dividido
  • Direcionar nossos recursos e ministérios para a educação que transforma
  • Aprofundar as dimensões contemplativas e profética de nossa vida

Nossa espiritualidade encarnada nos interpela a ouvir os clamores do planeta que clama pela irrupção do Espírito Santo libertador. Consideramos a Carta da Terra afirmando que como nunca antes da história, o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Requer da humanidade uma mudança na mente e no coração e também, um novo sentido de interdependência global e de responsabilidade universal. Reconhecemos que estamos aprendendo a busca conjunta por verdade e sabedoria.

As Irmãs Escolares de Nossa Senhora estão vibrando pelo surgimento de Laudato Si’ (2015) e as pro12935275_986669028035575_557001146_n-1postas do Papa Francisco sobre o cuidado da casa comum. Alegramo-nos com essa boa notícia tanto aos cristãos, quanto a outras crenças a nos unirmos a uma educação e espiritualidade ecológicas; melhor, por uma ecologia humana. Olhar a vida na sua integralidade, conscientes de que estamos interligados com tudo e com toda a criação. A consciência dessa interdependência planetária nos leva a agir contra a lógica do mercado, que se coloca como deus e estimula o consumismo e o desrespeito ao ambiente. Sentimo-nos convidadas “a maturar uma espiritualidade da solidariedade global responsáveis pelo dom da Vida que brota no mistério da Trindade” (LS, nº 240).

No poder do Espirito Santo cumprimos a missão de fidelidade criativa a Jesus Cristo. Em atitude de discernimento e diálogo, escutamos Maria, mãe da Igreja e de nossa congregação, que amorosamente nos desafia: ‘fazei o que ele vos disser” (VSE,17).

 

Referências

 

Bíblia de Jerusalém, 2003.

Documento do Magisterio. Evangelii Gaudium: sobre o anuncio do Evangelho no mundo atual, 2013.

Constituição das Irmãs Escolares de Nossa Senhora: Vós Sois Enviadas, 1987.

 Boff, Leonardo – https://leonardoboff.wordpress.com/2012/05/26/o-espirito-no-cosmos-no-ser-humano-e-em-deus/

 Carta da Terra: https://docs.ufpr.br/~dga.pcu/Carta%20da%20Terra.pdf)

 Documento do Magisterio. Laudato Si’: sobre o cuidado da casa comum, 2015.